Tradução

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Porque Deus criou o homem?

Porque Deus criou o homem?

Essa é uma pergunta que muitos devem se fazer, até mesmo entre os filhos de Deus. quando cremos em Deus e nos tornamos seus filhos, a nossa vida muda completamente, não é que acabem os problemas, nem mesmo que diminuem, mas Deus nos supre com sua graça e nós passamos a ser cada dia menos vulneráveis ás coisas do mundo a que estamos ainda sujeitos (2 CO 12:7-9). Mas qual é a final o proposito da nossa existência? será que fomos criados simplesmente pra ser um grande líder cristão, ou um bom esposo, uma boa esposa, ter um caráter exemplar e ser admirado por todos? infelizmente muitos creem que é exatamente isso. todas essas coisas são boas, porem não é esse o proposito da nossa existência, a palavra de Deus nos mostra que nós fomos criados para reinar com Ele no mundo que há de vir (HB 2:5-8). esse é  o verdadeiro proposito de Deus: seu reino, nem mesmo a igreja, por mais maravilhosa que seja, é mais importante do que o reino, pois a igreja é apenas o caminho para o reino. Tendo um viver normal na igreja, negando a vida da alma e invocando o nome do senhor, certamente teremos parte no reino do mundo que há de vir. Jesus cristo é o nosso senhor.                                    

Invoque sempre Ó SENHOR JESUS! (RM 10:13).

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

NICODEMOS

NICODEMOS

Ora, havia entre os fariseus um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.
Este foi ter com Jesus, de noite, e disse-lhe: Rabi, sabemos que és Mestre, vindo de Deus; pois ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele.
Respondeu-lhe Jesus: Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.
Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? porventura pode tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer?
Jesus respondeu: Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus.
O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.
Não te admires de eu te haver dito: Necessário vos é nascer de novo.
O vento sopra onde quer, e ouves a sua voz; mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito.
Perguntou-lhe Nicodemos: Como pode ser isto?
Respondeu-lhe Jesus: Tu és mestre em Israel, e não entendes estas coisas?
Em verdade, em verdade te digo que nós dizemos o que sabemos e testemunhamos o que temos visto; e não aceitais o nosso testemunho!
Se vos falei de coisas terrestres, e não credes, como crereis, se vos falar das celestiais?

Pensamento:

Nicodemos era um fariseu, mestre de Israel. Apesar de ser um homem muito instruído e com um cargo muito importante, ele precisou de saber que necessitava nascer de novo se queria entrar no reino de Deus. Ele conhecia Jesus. No entanto esse conhecimento não foi o suficiente para garantir a Nicodemos que iria para o céu. Ele via Jesus operar muitos milagres, e tinha a certeza que Jesus era um homem de Deus. Mas foi necessário que Jesus lhe dissesse que sem o novo nascimento não é possível entrar no reino de Deus.

Os nossos conhecimentos bíblicos, não nos garantem a vida eterna. Temos que nascer de novo. Nicodemos não percebeu o que é o novo nascimento porque se trata de uma "operação" espiritual, e o que é espiritual não é explicável, mas é pela fé. 1 Cor. 2.14 – Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque para ele são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.

Eze 36:25-27 Então aspergirei água pura sobre vós, e ficareis purificados; de todas as vossas imundícias, e de todos os vossos ídolos, vos purificarei.
Também vos darei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne.
Ainda porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis as minhas ordenanças, e as observeis.

domingo, 1 de dezembro de 2013

O TABERNÁCULO

O TABERNÁCULO


O Tabernáculo era a sombra de Jesus Cristo que perdoou os pecados dos Israelitas e de todos quantos que crêem nele. Nosso Senhor era o verdadeiro possuidor do Tabernáculo. E Ele era o Salvador que lançou fora os pecados de todo mundo de uma vez por todas, e ao mesmo tempo, a própria oferta de sacrifício para toda a humanidade.

Embora o povo de Israel pecasse diariamente, impondo suas mãos na cabeça do animal puro de sacrifício no pátio do Tabernáculo de acordo com o sistema de sacrifício, eles podiam passar seus pecados sobre a oferta. Isto é como qualquer um que cria no ministério dos sacerdotes e na oferta de sacrifício dada de acordo com o sistema de sacrifício podia receber a remissão de pecado, sendo lavado de seus pecados e se tornando alvo como a neve. Igualmente, crendo no batismo e sacrifício de Jesus, a essência verdadeira do Tabernáculo, o povo de Israel e os que entre nós que somos Gentios temos sido revestidos da bênção de remissão de todos os nossos pecados e de viver com o Senhor para sempre.

Não só os Israelitas, mas todos os Gentios também podem ser libertos de todos os seus pecados só crendo em Jesus, o Senhor do Tabernáculo. O Tabernáculo nos ensina o que o presente da remissão de pecado que Deus deu a todo mundo representa. Como tal, o Tabernáculo propriamente era a grande essência de Jesus Cristo.

Jesus se tornou o Salvador de pecadores. Todo pecador seja ele/ela, pode ficar sem pecado se crer no batismo de Jesus, Seu sangue na Cruz, e a verdade de que Ele é o próprio Deus. Podemos ser livres do julgamento do Deus por nossa fé nos fios azul, púrpura, e escarlate - em outras palavras, crendo no batismo de Jesus, Seu sangue, e Sua divindade. Jesus é a entrada para o Reino do Céu.

Em Atos 4:12 diz, " E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos." Nenhum outro senão Jesus pode salvar as pessoas de seus pecados. Não existe nenhum Salvador, mas somente Jesus. João 10:9 diz, " Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim, será salvo; entrará, e sairá, e achará pastagem." 1 Timóteo 2:5 diz, "Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem;" e Mateus 3:15 diz, "Mas Jesus lhe respondeu: Deixa por enquanto, porque, assim, nos convém cumprir toda a justiça. Então, ele o admitiu." Todos estes versos testemunham esta verdade.

Jesus veio a esta Terra em semelhança de homem, e recebendo Seu batismo (fio azul) e derramando Seu sangue (fio escarlate), Ele salvou os pecadores. Como tal Jesus se tornou a porta de salvação para todos os pecadores. Da mesma maneira que a entrada do pátio do Tabernáculo foi tecida de fio azul, púrpura e escarlate, Jesus, vindo a esta Terra, em primeiro lugar tomou os pecados do mundo sobre Ele mesmo com Seu batismo recebido por João Batista. Ele, então, se tornou a oferta de sacrifício, o Cordeiro de Deus (João 1:29).

Segundo, depois de desta forma ter tomado as iniquidades de todos os pecadores com Seu batismo, Ele morreu em seu lugar e deu nova vida àqueles que crêem. Terceiro, este Jesus era o próprio Deus. Em Gênesis 1:1 diz, "No princípio, criou Deus os céus e a terra," e Gênesis 1:3 diz, " Disse Deus: Haja luz; e houve luz" Jesus não era nenhum outro senão o verdadeiro Deus Logos (Palavra), quem criou o universo inteiro e tudo que nele há com Sua Palavra.

Deus disse a Moisés que fizesse a entrada do pátio do Tabernáculo com fios azul, púrpura, e escarlate e tecido de linho finíssimo. Jesus, que é o próprio Deus, completou Sua obra de tornar os pecadores íntegros vindo a esta Terra na semelhança de um homem e salvando Seu povo de todos os seus pecados por Seu batismo e Sua morte na Cruz. Estes três ministérios são o modo pelo qual Cristo salvou os pecadores, e eles são a evidência desta verdade.

O Apóstolo Paulo disse em Efésios 4:4-6, " há somente um corpo e um Espírito, como também fostes chamados numa só esperança da vossa vocação; há um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos e está em todos." Esta Palavra se refere a salvação do pecado feita pelos fios azul, púrpura, e escarlate e o tecido de linho finíssimo.

Por nossa exploração do Tabernáculo, nós devemos perceber sua verdade correta, e assim é santificada para ser perdoada de todos os nossos pecados.

A ENTRADA DO PÁTIO DO TABERNÁCULO



A ENTRADA DO PÁTIO DO TABERNÁCULO

Os materiais usados para a entrada do pátio do Tabernáculo eram de fios azul, púrpura, e escarlate e tecido de linho finíssimo. A altura da entrada era 2.25 m (7.4 pés), e sua largura era mais ou menos 9 m (30 pés). Era uma tela tecida de fios azul, púrpura, e escarlate e tecido de linho finíssimo, que estava presa a quatro colunas. De tal forma, que sempre que alguém tentasse entrar no pátio do Tabernáculo, ele/ela podia facilmente encontrar sua entrada.

Os materiais de fios azul, púrpura, e escarlate e o tecido de linho finíssimo usados para a entrada do Tabernáculo manifestavam que Deus nos salvaria de todos os nossos pecados pelas quatro obras de Seu Filho Jesus.

Primeira, que o fio azul nos mostra? Mostra-nos uma parte da verdade em Jesus, que se tornou o Messias real dos pecadores, vindo a esta Terra e tomando os pecados do mundo recebendo Seu batismo por João. De fato, este batismo que Jesus recebeu de João no Rio de Jordão é a verdade de Jesus de que tomou todos os pecados do mundo de uma vez para todas. Jesus realmente eliminou todos os pecados do mundo sobre Si sendo batizado por João Batista, o representante de toda humanidade. Porque os pecados de todo foram dessa forma passados sobre a própria cabeça do Cristo, quem crê nesta verdade não tem nenhum pecado em seu coração.

Segundo qual é o significado real do fio púrpura tecido na entrada do pátio do Tabernáculo? Diz a nós que Jesus é o verdadeiro Rei dos reis. Jesus, de fato, fez o universo, Ele mesmo é o Criador, não uma criação, e é o verdadeiro Messias que veio a esta Terra. Ele, o Messias, realmente veio a esta Terra já na semelhança de homem. E pelo levar todos os pecados do mundo sobre Seu próprio corpo através do batismo recebido por João, e com Seu sacrifício, morte e ressurreição, Jesus salvou a todos os que reconheceram, temeram, e creram Nele como o Messias, de todos os seus pecados e do julgamento do pecado.

Jesus é de fato nosso Deus e Messias absoluto. Ele é o Salvador absoluto. Porque Jesus levou todos nossos pecados sobre Ele com Seu batismo, pelo derramamento de sangue e morte na Cruz e ressuscitando de Sua morte, Ele não só eliminou todos nossos pecados, mas Ele também recebeu o julgamento do pecado delegado a nós em nosso lugar.

A fio escarlate, em terceiro lugar, refere-se ao sangue que Jesus derramou na Cruz, e seu significado é que Cristo deu nova vida àqueles que crêem. Esta verdade do fio escarlate diz a nós que Jesus Cristo não só recebeu o julgamento de nossos próprios pecados tomando os pecados do mundo sobre Ele mesmo com Seu batismo recebido por João, mas Ele também deu nova vida aos que crêem concedendo a vida - dando fé a aqueles que morreram para o pecado. Para aqueles que crêem em Seu batismo e no sangue que Ele derramou, Jesus realmente deu vida nova.

O que, então, significa o tecido de linho finíssimo? Manifesta que com o Novo Testamento, Deus cumpriu Sua promessa de salvação escrita no Antigo Testamento. E ele diz a nós isto quando Jesus tomou todos os pecados do mundo nele Mesmo com Seu batismo e foi julgado pelos nossos pecados na Cruz no Novo Testamento, Ele cumpriu a salvação que Deus prometeu aos Israelitas e a nós com Sua Palavra de salvação.

Deus Yahweh disse em Isaías 1:18, " Vinde, pois, e arrazoemos, diz o SENHOR; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã." Também, o sistema de sacrifício do Antigo Testamento orientando como os sacrifícios são oferecidos no Tabernáculo, sob que os pecados do povo de Israel foram passados sobre o cordeiro de sacrifício com a imposição das mãos, era a promessa que Deus fez para os Israelitas e a nós. Isto foi revelação de Deus da promessa que Ele salvaria todas as pessoas do mundo de seus pecados diários e anuais pelo Cordeiro de Deus no futuro.

Isto também foi o sinal dos Messias prometido a vir. Então no período do Novo Testamento, quando Jesus Cristo tomou todos os pecados do mundo nele Mesmo todos de uma vez recebendo Seu batismo de acordo com o método do Antigo Testamento, foi a realização da salvação de Deus. Tendo dado a nós todas Sua Palavra de promessa, Deus nos mostrou que Ele realmente as cumpriu todas, exatamente como Ele prometeu. O batismo que Jesus recebeu manifesta esta verdade, de que o Deus da salvação cumpriu toda a Sua promessa divina.

ESTRUTURA DO TABERNÁCULO

ESTRUTURA DO TABERNÁCULO

A cerca do pátio do Tabernáculo era retangular e media 100 cúbitos de comprimento. Na Bíblia, um cúbito era o mesmo que o comprimento que vai do cotovelo até a ponta do dedo, mais ou menos 45 cm (1 pé e meio) na medida de hoje. Como tal, que a cerca do pátio do Tabernáculo media 100 cúbitos de comprimento significa que era mais ou menos 45 m(150 pés), e sua largura era 50 cúbitos que significa que era aproximadamente 22.5 m (75 pés) de largura.

O Tabernáculo era dividido entre o seu pátio e o Tabernáculo propriamente dito, a Casa de Deus. Nesta Casa de Deus, o Tabernáculo, existia uma estrutura pequena chamada Santuário. O Santuário era coberto por quatro cobertas diferentes: uma coberta era tecida de linho e finíssimo e fios azul, púrpura, e escarlate; outra de pêlos das cabras; aquelas de peles tingidas de vermelho; e uma coberta de peles de texugo.

No lado leste do pátio do Tabernáculo estava a entrada, tecida fios azul, púrpura, e escarlate e tecido de linho finíssimo. Entrando nesta entrada, nós teríamos visto o altar de holocausto e a pia. Passando a pia, nós teríamos então visto o próprio Tabernáculo. O Tabernáculo era dividido entre o Santo Lugar e o Santo dos Santos, onde Arca do Deus do Testemunho se encontrava. A cerca do pátio do Tabernáculo era construída com 60 colunas suspensas de fino linho branco. O Tabernáculo propriamente, por outro lado, era construído com 48 tábuas e 9 colunas.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

AGORA MEUS OLHOS TE VÊEM

AGORA MEUS OLHOS TE VÊEM

Em meio a tantas lutas e dificuldades;  em meio as turbulências da vida...
Quando muitos não tem a quem recorrer, e ninguém para os socorrer...
Nós somos privilegiados por termos uma fé viva num Deus vivo.
E olha que eu não estou falando de religião; eu estou falando do Deus da Bíblia; do Deus de Abraão, Isaque, e Jacó; enfim, do Deus Todo Poderoso.
Esse Deus, que muitos conhecem por nome, por ouvir falar; mas não o conhecem por fé e verdade; devido a falta de uma experiência pessoal com ele.
Jó demostrou regozijo ao falar da diferença entre ouvir falar,  e conhece-lo através de uma experiência pessoal...
"Antes eu te conhecia só por ouvir falar, mas agora eu te vejo com os meus próprios olhos. (Jó 42:5)
O que levou Jó a uma experiência tão profunda com Deus? - Bem, com certeza foi a sua retidão, integridade, fidelidade, temor; mas, acima de tudo, o seu sincero desejo de estar com Deus.
Jó conhecia  Deus de ouvir falar; provavelmente ouvira falar de sua grandeza e seus grandes feitos.
Jó é um exemplo vivo, de abnegação, fé, e confiança em Deus.
Apesar das grandes perdas e sofrimento, Jó manteve-se fiel.
Fiel aquele de quem ele tanto ouvira falar,
e que tanto desejava conhecer. Consequentemente esse desejo, essa fidelidade, o levaram a uma forte experiência com Deus.
"E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo, o vosso coração." (Jeremias 29:13)
De igual modo, nós também, podemos ter uma experiência viva e maravilhosa com esse Deus.
Se entregarmos verdadeiramente o nosso coração ao Senhor ...  
Mas, não esqueçamos, que essa entrega consiste em renuncia...
Jó perdeu quase tudo o que possuía, mas não se deixou tragar pela agonia e desespero; Ele Confiou... E depositou a sua vida e esperança nas mãos de Deus.
Lamentavelmente alguns  dizem: "Eu  entreguei a minha vida para Deus, e  nada aconteceu!"...
É  claro que nada aconteceu e nada acontecerá, se realmente você não a entregar de fato e de verdade. Entregar a vida nas mãos de Deus, é mais que simples palavras...  É ação! - É renuncia! - É submissão!
Tem que haver verdadeiramente vontade e desejo de entrega.
"Dá-me, filho meu, o teu coração, e os teus olhos observem os meus caminhos".
(Provérbios 23:26)
"Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele e ele comigo". (Apocalipse 3:20)
Logo, somos nós que abrimos a porta do nosso coração. A "chave" que abre essa porta, chama-se: "querer". A responsabilidade é minha de abrir ou não a 'porta'. Quando eu verdadeiramente "quero" tudo pode acontecer... -
Quando realmente queremos, experimentamos uma maravilhosa vivência com o Espírito Santo. E, veja bem, isso não quer dizer que a partir daí, passamos a ser perfeitos e infalíveis - Não! - Com certeza não! - Mas Deus olha para dentro do nosso coração e contempla o nosso sincero desejo de querer acertar, mesmo errando.
Ao errarmos: - "Meu Deus eu falhei! Mas não posso viver sem ti; eu preciso de ti Senhor; eu quero a tua constante presença comigo" - "Deus eu tropocei! Segura minha mão Senhor... sou totalmente dependente de ti!"
Amados, Deus ama a sinceridade. Deus ama a verdade no íntimo.
Confira no Salmo 51, a declaração do rei Davi, arrependido, após ter pecado contra o Senhor Deus:

                        Salmo de Davi

1 Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias.

 2 Lava-me completamente da minha iniqüidade, e purifica-me do meu pecado.

 3 Porque eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim.

 4 Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que é mal à tua vista, para que sejas justificado quando falares, e puro quando julgares.

 5 Eis que em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe.

 6 Eis que amas a verdade no íntimo, e no oculto me fazes conhecer a sabedoria.

7 Purifica-me com hissopo, e ficarei puro; lava-me, e ficarei mais branco do que a neve.

 8 Faze-me ouvir júbilo e alegria, para que gozem os ossos que tu quebraste.

 9 Esconde a tua face dos meus pecados, e apaga todas as minhas iniqüidades.

 10 Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto.

 11 Não me lances fora da tua presença, e não retires de mim o teu Espírito Santo.

 12 Torna a dar-me a alegria da tua salvação, e sustém-me com um espírito voluntário.

 13 Então ensinarei aos transgressores os teus caminhos, e os pecadores a ti se converterão.

 14 Livra-me dos crimes de sangue, ó Deus, Deus da minha salvação, e a minha língua louvará altamente a tua justiça.

 15 Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca entoará o teu louvor.

 16 Pois não desejas sacrifícios, senão eu os daria; tu não te deleitas em holocaustos.

 17 Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.

 18 Faze o bem a Sião, segundo a tua boa vontade; edifica os muros de Jerusalém.

 19 Então te agradarás dos sacrifícios de justiça, dos holocaustos e das ofertas queimadas; então se oferecerão novilhos sobre o teu altar.
Salmos 51:1-19

 Assim como o humilde Jó, o aquebrantado Davi, e muitos outros; inclusive na atualidade, homens e mulheres, que se humilham e se submetem ao querer e a vontade do eterno Deus.
Deus então passa a ser vivo, real, para essa pessoa, em sua experiência pessoal com ele. A nossa intimidade e comunhão com ele se acentua, a ponto de podermos dizer com convicção o mesmo que disse Jó: "Antes eu te conhecia só por ouvir falar, mas agora eu te vejo com meus próprios olhos".
A fé é isso! - A fé nos dar visão de Deus. É claro que Jó foi um homem que teve uma das mais terríveis provações do qual a bíblia relata.
Já a  nossa experiência, 'pela graça de Deus', se quer se aproxima de tanta dor e sofrimento. Mas uma coisa podemos ter em comum com Jó, o seu Deus e a sua fé viva; consequentemente poderemos senti-lo e vê-lo, com os olhos da fé, dentro do nosso coração.
Quem sabe você deseja ardentemente ter experiência e  intimidade com Deus. Então levante-se pela fé! - O momento é esse! ...  É agora! ...
E quanto a você, que já se encontra em uma igreja, mas sente-se abatido e desanimado, e quem sabe tenha dito pra si mesmo:
"É, comigo não adianta, pois nada acontece. Deus não me aceita como sou... Sou fraco e falho... Deus não me ama..."
Isso não é verdade pessoa querida e amada de Deus!
Vamos, levante-se agora! - Erga a sua cabeça! -  Entregue-se sem reservas nas mãos do Salvador Jesus!...
E veja o quanto você é importante para ele...
Veja o milagre acontecer em sua vida! -
Você poderá ter, a partir de agora, acesso ao Deus Vivo, sem barreiras, e sem reservas, através da fé em Cristo Jesus.
Através de sua maravilhosa "graça" revelada aos homens, na cruz do calvário.
Muitos não tem esperança por não conhecerem a palavra, a grandeza, e fidelidade desse Deus. Mas você pode, pois a palavra dele está aí, bem próxima a você. Acredite, você verá o Rei  e a sua glória, numa experiência única e pessoal. Tome posse, pois o tempo de cantar... chegou!

Que o nosso Deus e Pai, nos abençoe à todos, rica e abundantemente.
Amém...

domingo, 3 de novembro de 2013

Começar de novo

Começar de novo


Deus repetidas vezes nos concede amor e perdão (II Cr 7: 14 ) . Frequentemente o cristão que aceita sua dádiva gratuita pela fé fracassa na tentativa de segui-lo completa e consistentemente. Mesmo assim Deus graciosamente torna possível novos começos, uma oportunidade renovada. Além da esfera do perdão as Escrituras apresentam numerosos relatos nos quais o Senhor reverte certas condições ou circunstâncias e oferece uma oportunidade para que seu povo comece de novo. A mãe de Moisés recebeu uma segunda oportunidade de criar seu filho ( Ex 2: 7-9 ) . Miriã teve uma segunda chance quando Deus perdoou sua rebelião e curou sua lepra ( Nm 12: 10-15 ) . A esterilidade de Ana foi anulada , ela pode dar a luz a Samuel e dedicá-lo ao Senhor ( I Sm 2: 28) .
As mulheres recebem a possibilidade de um novo começo em muitos relatos do Novo Testamento. Isabel concebeu um filho na sua velhice e deu a luz a João Batista (Lc 1: 15-25) . A viúva de Naim foi dada uma nova chance quando seu filho foi ressucitado dos mortos ( Lc 7: 11-17 ) . Uma mulher suspreendida em adultério recebeu sua segunda oportunidade de viver uma vida em temor ao Senhor ( Jo 8: 3-11 ) .Dorcas foi ressucitada dos mortos por Pedro e recebeu mais tempo para servir ao Senhor (At 9: 36-42 ) .
A Bíblia também apresenta histórias de vida nas quais as mulheres não aceitaram a segunda oportunidade oferecidas a elas por Deus. Jezabel rejeitou sua segunda chance deliberadamente desobedeceu a Deus ( I Reis 9: 30-37 ) Berenice ouviu a mensagem do evangelho pregada por Paulo e ainda assim não temos qualquer indicação de que o tenha aceitado ( At 25: 23; 26, 30-32 ) .
A misericórdia e justiça de Deus são equilibradas. Embora a mulher cristã possa experimentar algumas consequências temporais por sua desobediência, pode receber perdão e promessa de vida, pois seus pecados foram cobertos pelo sangue de Cristo. Outra oportunidade não significa necessariamente ausência de consequências por um comportamento pecaminoso no passado, mesmo após o retorno a Deus em obediência. Mas sua misericórdia continua a oferecer a proteção de um Pai celestial gracioso e perdoador (Lc 15: 20; Jo 10: 28-29 ) .

Colaboradoras do reino

Colaboradoras do reino


As mulheres do Novo Testamento não eram meras expectadoras. Desempenhavam um papel ativo, vibrante e vital no funcionamneto diário da Igreja. Deus derramou do seu espírito sobre suas filhas e filhos- Jl 2, 28;A t 2, 17-18- e mulheres capacitadas pelo espírito ministravam usando a completa gama de dons. Além do evangelismo, profecia, ensino e discipulado, as mulheres estavam envolvidas em vários outros ministérios além de servir suas próprias famílias - I Tm 5, 10- de acordo com seus respectivos dons espirituais - At 1, 14;12. 12; I Co 12, 8-10;I Tm 5, 5; Fm 2 -. As mulheres tiveram participação ativa na assembléia de Filipos - At 16, 11-15 - e estiveram envolvidas no estabelecimento de igrejas em Tessalônica - At 17, 4- e em Beréia - At 17 ,12 - Paulo sempre se referia as mulheres como suas cooperadoras. Ele deu um especial reconhecimento para Maria - Rm 16, 6- ;Trifena, Trifosa e Pérside - Rm 16, 12- ; Evódia e Síntique - Fp 4, 2-; e Priscila - Rm 16, 3- como mulheres que muito trabalharam pelo evangelho. A chegada do reino revolucionou o envolvimento de pessoas comuns na obra de Deus. Fosse judeu ou grego, escravo ou livre, homem ou mulher - o ministério do reino tornou-se responsabilidade de todos.

O amor de Cristo (Ef 3:17-19)


O amor de Cristo (Ef 3:17-19)

Leitura bíblica: Jo 1:17; 14:6; Ef 4:6-7, 11-16

 Seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, de quem todo o corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para a edificação de si mesmo em amor (Ef 4:15-16).

ANDAR NA GRAÇA PARA EDIFICAR O CORPO DE CRISTO

Em Efésios 4:7 lemos: “E a graça foi concedida a cada um de nós segundo a proporção do dom de Cristo”. Quando obtemos a vida de Deus ao crer no Senhor Jesus, recebemos graça. Não se trata de termos uma vida confortável, um trabalho próspero ou uma bela família, pois a graça de Deus não tem como objetivo nosso sucesso pessoal ou prosperidade material. A graça é o dispensar do Deus Triúno para produzir em nós um crescimento espiritual normal, levando-nos a exercer nossa função como membros do Corpo de Cristo e assim executar a economia neotestamentária de Deus. Quanto mais exercitamos o dom que recebemos pela graça, mais graça nos é acrescentada.
Ao nascermos de Deus, recebemos o primeiro dom, que é invocar o nome do Senhor. Assim como a criança recém-nascida tem o dom de chorar para que a mãe atenda suas necessidades, o primeiro dom que recebemos foi de clamar ao Senhor. A Primeira Epístola aos Coríntios 12:1-3 descreve que exercitamos esse dom falando pelo Espírito Santo, ao dizermos: “Senhor Jesus!”. Nos versículos 4 a 6 lemos: “Ora, os dons são diversos, mas o Espírito é o mesmo. E também há diversidade nos ministérios, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade nas operações, mas o mesmo Deus é quem opera tudo em todos”. Isso significa que, quando exercitamos os dons, recebemos graça, não para fazer uma obra particular, mas para edificar o Corpo de Cristo. Somos membros desse Corpo, por isso devemos funcionar. Se um membro do nosso corpo físico deixa de se exercitar, ele fica atrofiado. Da mesma forma, se não nos exercitamos como membros do Corpo de Cristo, deixamos de receber graça. Mas, se nos exercitamos continuamente, a graça de Deus opera em nós e, além de produzir crescimento, faz do nosso dom um ministério. Assim, Deus pode utilizar esse ministério em Suas operações, coordenando-nos juntamente com os outros ministérios do Corpo de Cristo.
Quando exercitamos os dons, andamos na graça e somos aperfeiçoados (Ef 4:11-13). Não devemos tentar servir a Deus de maneira autossuficiente, pois todos precisamos de aperfeiçoamento. Na vida humana, ninguém permanece da maneira como estava quando nasceu. Da mesma forma, na vida espiritual, buscamos crescer e ser aperfeiçoados. Para isso, temos o BooKafé, a colportagem, o CEAPE e os vários serviços do viver da igreja. Essas ferramentas são úteis para alargar nosso coração e aperfeiçoar nosso caráter.
Na igreja há aqueles que nos ajudam a ser aperfeiçoados, como os apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres. A liderança desses irmãos é para o nosso aperfeiçoamento, por isso exercitam o amor e a paciência. Eles devem se tornar modelos para os demais, perseverando em cuidar dos irmãos e da igreja. Sua função não é criar discípulos próprios nem se assenhorear do rebanho, mas apascentar os que lhes foram confiados pelo Senhor (1 Pe 5:2-3).
O resultado de sermos aperfeiçoados por andarmos na graça é a maturidade (Ef 4:14-16). Quando amadurecemos, não somos influenciados pelas opiniões que induzem ao erro, mas seguimos a verdade em amor. Essa verdade é o próprio Cristo (Jo 14:6). Ao andarmos na graça e na verdade, cooperamos para a edificação do Corpo de Cristo, suprindo vida aos que nos foram confiados (Ef 4:16).

AS SETE IGREJAS ( AP 1:10-11 )

AS SETE IGREJAS ( AP 1:10-11 )

 Leitura bíblica: Hb 2:10, 17; 3:1; Ap 1:1-11

Tendo, pois, a Jesus, o Filho de Deus, como grande sumo sacerdote que penetrou os céus, conservemos firmes a nossa confissão (Hb 4:14). Ora, o essencial das coisas que temos dito é que possuímos tal sumo sacerdote, que se assentou à destra do trono da Majestade nos céus (8:1).

 O SUMO SACERDOTE GLORIOSO

As visões que João relatou em Apocalipse dizem respeito à revelação de Jesus Cristo (Ap 1:1). Primeiramente, ele destaca que as cartas destinadas às sete igrejas da Ásia foram escritas com graça e paz da parte do Deus Triúno (Ap 1:4-5a), ou seja, do Pai (Aquele que é, que era e que há de vir), do Espírito (os sete Espíritos) e do Filho (Jesus Cristo, a Fiel Testemunha, o Primogênito dos mortos e o Soberano dos reis da terra).
Ao exaltar a obra do Filho, João afirma: “Àquele que nos ama, e, pelo Seu sangue, nos libertou dos nossos pecados, e nos constituiu reino, sacerdotes para o Seu Deus e Pai, a ele a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém!” (v. 5b-6). Por conta da redenção dos pecados e da regeneração que recebemos, podemos servir a Deus como sacerdotes (ou ministros, no Novo Testamento).
O Senhor Jesus, que é o nosso sumo sacerdote, foi visto pelo apóstolo João andando no meio dos sete candeeiros de ouro, vestido com vestes talares e cingido, à altura do peito, com uma cinta de ouro (v. 13). Como Sumo Sacerdote, Ele está nos conduzindo a Deus Pai e nos aperfeiçoando para que também sirvamos a Deus como reis e sacerdotes (Hb 2:10, 17; 3:1). Essa é uma grande bênção!
Este Sumo Sacerdote visto por João não tinha uma expressão comum, mas santíssima e gloriosa, conforme descreve a seguinte passagem: “A sua cabeça e cabelos eram brancos como alva lã, como neve; os olhos, como chama de fogo; os pés, semelhantes ao bronze polido, como que refinado numa fornalha; a voz, como voz de muitas águas. Tinha na mão direita sete estrelas, e da boca saía-lhe uma afiada espada de dois gumes. O seu rosto brilhava como o sol na sua força” (Ap 1:14-16).
João recebeu a revelação de Jesus Cristo. Ele O reconheceu como Aquele que estivera morto na cruz, mas que ressuscitou e foi glorificado. Na visão de João, o Senhor, em glória, estava expressando o Deus Todo-Poderoso (v. 8). Essa revelação fez João cair a Seus pés com temor, como se estivesse morto. Mas o Senhor o encorajou com as seguintes palavras: “Não temas; eu sou o primeiro e o último e aquele que vive; estive morto, mas eis que vivo pelos séculos dos séculos e tenho as chaves da morte e do inferno. Escreve, pois, as coisas que são e as que hão de acontecer depois destas”(vs. 17c-19).
O próprio Senhor Jesus glorificado transmitiu a João a revelação das palavras que ele escreveu às sete igrejas. Ele foi incumbido de atestar a palavra de Deus aos outros servos de Deus, dando testemunho de Jesus Cristo quanto a tudo o que viu (v. 2). Por ser achado em espírito, João ouviu por detrás de si uma grande voz, como de trombeta, dizendo: “O que vês escreve em livro e manda às sete igrejas” (vs. 10-11).
Essas palavras também se destinam a nós, porque a vinda do Senhor se aproxima e “o tempo está próximo” (v. 3). Devemos ler, ouvir e guardar as palavras transmitidas às sete igrejas, a fim de nos preparar para a manifestação do Senhor em Seu reino. Se observarmos essas palavras em nosso viver, seremos bem-aventurados.

CONSELHO DE DEUS PARA O CASAMENTO

CONSELHO DE DEUS PARA O CASAMENTO

As dúvidas, dificuldades e sofrimentos no casamento têm origem em duas coisas: primeiro, não conhecer os princípios de Deus; segundo, seguir o padrão do mundo.
Se em seu casamento há algum problema, não culpe o outro, tampouco as circunstâncias; em vez disso, volte-se para Deus e dialogue com seu cônjuge.
Se o “vinho” em seu casamento está acabando, é recomendável convidar o Senhor Jesus para seu casamento. Você O convida e obtém Sua presença invocando Seu nome: “Ó Senhor Jesus!” Faça isso várias vezes, do profundo de seu ser e você O verá operando. Ele pode transformar tudo. A Palavra do Senhor, que é espírito e vida, pode mudar a tristeza em alegria, trevas em luz, a morte em vida, o ódio em amor.
Quando argumentamos com o propósito de defender-nos, ficamos mais fortes e criamos uma fortaleza na mente que acaba impedindo a luz de entrar e gerar humilhação, arrependimento e reconciliação. A melhor arma para vencer as argumentações e autojustificativas é buscar a presença de Deus, a aplicação da cruz a nós mesmos e a rendição.
Na vida conjugal você não pode fazer nada sozinho. Não pode planejar sozinho, viver sozinho, alegrar-se sozinho, chorar sozinho, resolver problema sozinho, criar filhos sozinho, lidar com as finanças sozinho e ser arrebatado sozinho. Casamento é mistura, união, vínculo – é viver em dupla.
Quando comparamos nosso cônjuge com outro, geralmente olhamos os pontos positivos da pessoa que admiramos e olhamos os pontos negativos do cônjuge. Podemos olhar nosso cônjuge sob dois aspectos: enfatizando as deficiências ou enfatizando as virtudes, a escolha é sua e o resultado também.
Deus poderia impor várias coisas ao homem; afinal de contas, Ele é Deus. Mas preferiu encarnar-se, humilhar-se e conquistá-lo por amor. Que método de conquista você usa com seu cônjuge?
Você pode se livrar do egoísmo colocando-se no lugar do outro para entender seus pontos de vistas, suas reações e procedimentos.
Muitos cônjuges “espiritualizam” tanto seu viver que se tornam seres inatingíveis. São tão “angelicais” que se tornam superficiais, incapazes de ver as necessidades de seu companheiro. Esquecem-se de que, quanto mais espiritual alguém é, mais humano ele se torna.
Quando somos transformados, as coisas podem continuar do mesmo jeito, mas a maneira de olharmos muda. De certa forma, nossa transformação transforma as coisas circunstâncias e pessoa perto de nós.

domingo, 13 de outubro de 2013

As Três Partes do Homem

As Três Partes do Homem






AS PARTES INTERIORES E
A PARTE ESCONDIDA

Prosseguiremos agora vendo os detalhes do vaso do Senhor. As partes interiores estão dentro da nossa alma, elas não são os membros exteriores do nosso corpo. Deus também disse que ele escreveria as Suas leis em nosso coração. O que, então, são as partes interiores, e o que é o coração?
Se compararmos Jeremias 31:33 com a citação em Hebreus 8:10, “Nas suas mentes imprimirei as minhas leis”, veremos uma pequena, mas importante variação. Jeremias diz “nas Suas partes interiores”, mas Hebreus o traduz “nas suas mentes”. Esta comparação prova que a mente é uma das partes interiores.
O termo “partes interiores” é usado mais de uma vez nas Escrituras. Por exemplo, Salmo 51:6 diz: “Eis que te comprazes na verdade nas partes interiores”. As partes interiores precisam ter verdade. Além das partes interiores, encontramos outra parte neste Salmo chamada “a parte escondida”: “e na parte escondida me fazes conhecer a sabedoria”. A verdade está nas partes interiores, mas a sabedoria está na parte escondida. Precisamos descobrir o que são estas partes interiores e o que é a parte escondida.

As Três Partes do Homem: Espírito, Alma e Corpo

Algumas passagens às quais iremos nos referir são bastante conhecidas. 1 Tessalonicenses 5:23 é um versículo que indica que somos tripartidos, ou possuímos três partes: o espírito, a alma e o corpo. Podemos ilustrar isto através de três círculos concêntricos:




Hebreus 4:12 também menciona o espírito e a alma, e o dividir dessas duas partes. Se quisermos conhecer Cristo e entrar Nele como a boa terra e como o descanso, temos de discernir o espírito da alma. O espírito é o próprio lugar da habitação de Cristo em nós. Assim, se quisermos conhecer Cristo de uma maneira experiencial, devemos discernir o nosso espírito da nossa alma. Este versículo menciona não apenas a diferença entre o espírito e a alma, mas também entre as juntas e medulas do corpo, e entre os pensamentos e propósitos do coração. A Palavra viva de Deus é um discernidor de todas essas coisas. Isto prova que se quisermos conhecer o Senhor de uma maneira prática e real, precisamos discernir todas essas partes. Que são os pensamentos e propósitos do coração? E quantas partes há no coração?
Em Lucas 1:46 e 47, a alma e o espírito são novamente distinguidos.
Filipenses 1:27 diz que precisamos ser de um só espírito, não o Espírito Santo, mas o espírito humano, e de uma só alma. Novamente este versículo mostra que há uma diferença entre o espírito e a alma.
Finalmente, Marcos 12:30 diz: “Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força”. Aqui há quatro partes diferentes: o coração, a alma, a mente e força. Se colocarmos todos estes versículos juntos, perceberemos que existe um bom número de diferentes partes dentro de nós além das muitas partes do corpo.
1 Tessalonicenses 5:23 indica que somos espírito, alma e corpo, e o Salmo 51 revela as partes interiores com a parte escondida. As partes interiores são as partes da alma, o que se prova comparando-se Hebreus 8:10 com Jeremias 31:33, onde a “mente” é citada como uma variação de “as partes interiores”. Assim como as partes interiores devem ser as partes da alma, assim a parte escondida deve ser o espírito. De todas as nossas partes, o espírito é a mais escondida dentro de nós. Essa parte mais interior não está apenas escondida dentro do nosso corpo, mas está até mesmo escondida dentro da alma. Portanto, há as partes exteriores do corpo, as partes interiores da alma e a parte escondida do espírito.

 As Três Partes da Alma: Mente, Vontade e Emoção

Há três partes da alma e três partes do espírito. Precisamos descobrir o que são as três partes, tanto da alma como do espírito.   Além disso, também precisamos definir o coração.  1 Tessalonicenses 5:23 indica que somos um ser tripartido: espírito, alma e corpo, mas não menciona o coração. Que é o coração e como podemos relacioná-lo com as partes interiores e a parte escondida?
A Palavra de Deus prova clara e definitivamente que a alma consiste em três partes: a mente, à vontade e a emoção. A área hachurada na figura abaixo ilustra as partes da alma:






       Provérbios 2:10 sugere que a alma necessita do conhecimento. Veja Também Provérbios 19:2 e 24:14. Como o conhecimento é uma função da mente, isto prova que a mente é uma parte da alma. O Salmo 139:14 diz que a alma sabe. Saber é algo da mente, o que se novamente prova que a mente é uma parte da alma. O Salmo 13:2 diz que a alma considera e consulta, o que se refere à mente. Lamentações 3:20 indica que lembrança é da alma. Isto é, a alma pode lembrar coisas. Com esses versículos podemos ver que há uma parte da alma que sabe, considera e se lembra. Esta parte é chamada a mente.

A segunda parte da alma é à vontade. Jó 7:15 diz que a alma escolhe. Escolher algo é uma decisão feita pelo ato da vontade. Isto prova que a vontade deve ser uma parte da alma. Jó 6:7 diz que a alma recusa. Escolher e recusar são ambas funções da vontade. 1 Crônicas 22:19 diz: “disponde a vossa alma para buscardes”. Assim como colocamos as nossas mentes a pensar, também colocamos as nossas almas a buscar. Isto, naturalmente, é a alma tomando uma decisão, o que prova que a vontade deve ser uma parte da alma.
A emoção é a terceira parte da alma. A emoção apresenta muitos aspectos, por exemplo: amor, ódio, alegria, pesar, etc. Todas essas são expressões da emoção. Referências a amor são encontradas em 1 Samuel 18:1, Cantares 1:7 e o Salmo 42:1. Esses versículos mostram que o amor é alguma coisa na alma, provando, portanto, que dentro da alma existe tal órgão ou função como a emoção. Quanto a ódio, veja 2 Samuel 5:8, Salmo 107:18 (Hebr.) e Ezequiel 36:5 (Hebr.).
Esses versículos estabelecem a base para se constatar as três partes na alma: a mente, à vontade e a emoção. Nas Escrituras, é difícil encontrar qualquer parte adicional da alma, porque estas três partes abrangem todas as suas funções. A mente é a parte principal, seguida pela vontade e pela emoção. Esses são os versículos que melhor revelam o que são as três partes da alma.

As Três Partes do Espírito:
Consciência, Comunhão e Intuição

É interessante notar que há três Pessoas da Deidade, há três partes do ser humano, há três partes interiores da alma e também há três partes para o espírito. Todos são em três partes. As Escrituras também revelam três partes no tabernáculo, o edifício de Deus. Três é a configuração ou o número básico. Até mesmo na arca de Noé há três níveis. Com o tabernáculo, o número três é usado muitas vezes. Por exemplo, a largura de uma tábua é um côncavo e meio. Quando duas tábuas são colocadas juntas como um par, a largura total é três côvados. Isto significa que o número três é uma unidade completa.
Portanto, o espírito é uma unidade completa, composta de três partes ou funções: consciência, comunhão e intuição. A área hachurada na figura abaixo ilustra as partes do espírito:



É fácil de entender a consciência. Todos nós estamos familiarizados com ela. Perceber entre certo e errado é uma função da consciência. Condenar ou justificar é outra de suas funções. Também é fácil de compreender a comunhão. A comunhão é nossa comunhão com Deus. Dentro do nosso espírito, tal função torna possível contatarmos Deus. Numa palavra simples, comunhão é tocar Deus. Mas não é muito fácil entender a intuição. Intuição significa ter uma sensação ou conhecimento direto. Existe tal sensação direta em nosso espírito, a despeito de motivo, circunstância ou antecedente. É uma sensação sem razão de ser, uma sensação que não é  “racional”. É uma sensação vinda diretamente de Deus e um conhecimento vindo diretamente de Deus. Esta função é o que chamamos a intuição do espírito. Assim, o espírito é conhecido pelas funções da consciência, da comunhão e da intuição.
Mas essas três partes do espírito humano precisam ser embasadas pela Bíblia. A primeira referência que veremos está em Romanos 9:1: “... testemunhando comigo, no Espírito Santo, a minha própria consciência”. Comparando Romanos 9:1 com Romanos 8:16, vemos que a consciência está localizada no espírito humano. Por um lado, o Espírito Santo testifica com o nosso espírito. Por outro lado, a nossa consciência testifica com o Espírito Santo. Isto prova que a consciência tem de ser uma função do nosso espírito. Em 1 Coríntios 5:3, o apóstolo Paulo diz que, em seu espírito, ele julgou uma pessoa pecaminosa. Julgar significa condenar ou justificar, que são ações da consciência. Mas o apóstolo diz: “no meu espírito eu julgo”. Isto confirma que a função de condenar ou justificar está no espírito; portanto, a consciência está no espírito. Esses versículos mostram a mais forte base para o fato de de que a função da consciência está no espírito humano.
Vamos prosseguir para achar base bíblica para a comunhão. Em primeiro lugar, João 4:24 nos diz que devemos adorar a Deus em nosso espírito. Adorar a Deus requer adoração em nosso espírito. Adorar a Deus é contatar Deus e ter comunhão com Deus. Esse versículo prova que a função de adorar ou de ter comunhão está em nosso espírito. Em Romanos 1:9, o apóstolo Paulo diz: “Porque Deus, a quem sirvo em meu espírito”. Servir a Deus também é um tipo de comunhão com Deus. Assim, isso também prova que o orgão para comunhão está em nosso espírito. Romanos 7:6 deve ser acrescentado: “... de modo que servimos em novidade de espírito...”. Em outras palavras, serviço é essencialmente comunhão com o Senhor em nosso espírito.
Consideremos Efésios 6:18. O texto grego interlinear traduz este versículo assim: “orando sempre em espírito...”. Não há artigo antes de “espírito” e também não é maiúsculo. Não se refere ao Espírito Santo, mas ao nosso espírito humano. Orar significa Ter comunhão com Deus. Orar em espírito indica então que a comunhão com Deus é uma questão em nosso espírito. Lucas 1:47 diz: “E o meu espírito se alegrou em Deus...”. Isto significa que o espírito humano contatou Deus. Mais uma vez, comunhão com Deus é uma função no espírito. Em Romanos 8:16, “o próprio Espírito testifica com o nosso espírito”. Este versículo é muito claro, porque ele mostra que a comunhão com Deus deve ser tanto em nosso espírito como no Espírito de Deus. A Primeira Epístola aos Coríntios 6:17 diz: “Aquele que se une ao Senhor é um espírito”. Verdadeira comunhão significa que nós nos tornamos um espírito com o Senhor. Esta comunhão é no espírito. Todos esses versículos são suficientes para provar que a função da comunhão está em nosso espírito.
E a intuição? Embora seja difícil encontrar base bíblica para esta função, existem alguns versículos. A Primeira Epístola aos Coríntios 2:11 revela que o espírito do homem pode saber o que a alma não pode. Nosso espírito pode discernir aquilo que a alma não pode. Isto prova que alguma coisa a mais está em nosso espírito. A nossa alma pode conhecer as coisas pela razão e por experiências circunstanciais, mas o espírito humano pode discernir as coisas sem utilizar estes meios. Este sentir direto mostra que a intuição está em nosso espírito. Temos também Marcos 2:8, que diz: “... percebendo logo por Seu espírito”. Marcos 8:12 diz: “E, suspirando profundamente em seu espírito”. Em João 11:33 “moveu-se muito em espírito”. Perceber, gemer e movermo-nos em nosso espírito vêm de uma sensação direta de discernimento, o qual não depende da razão. A isto nós chamamos de intuição, a terceira função do nosso espírito.
Agora temos a base bíblica para estas seis partes: a três partes da alma e as três partes do espírito.

As Quatro Partes do Coração:
Mente, Vontade, Emoção e Consciência

          O que, então, é o coração? O coração não é uma parte separada adicionada à alma e ao espírito, mas uma composição de todas as partes da alma mais a primeira parte do espírito. Inclui a mente, a vontade e a emoção e, ainda, uma parte do espírito: a consciência. A área hachurada no diagrama abaixo ilustra as partes que compõem o coração:




O homem não tem mais do que três partes principais em todo o seu ser. Como um ser humano, temos um corpo, uma alma e um espírito. Não temos uma quarta parte separada tal como o coração.
Agora, precisamos confirmar que a mente, a primeira parte da alma, é uma parte do coração. Mateus 9:4 diz: "Por que pensais mal em vossos corações?". Portanto, no coração pode-se pensar. Como os processos do pensamento estão na mente, isto prova que a mente é uma parte do coração. Gênesis 6:5: "... dos pensamentos do seu coração". Os pensamentos são algo da mente, mas Gênesis 6:5 menciona os pensamentos do coração. O mesmo é visto em Hebreus 4:12: "os pensamentos... do coração". Estas três passagens são ampla prova de que a mente, um órgão da alma, é uma parte do coração.
Vemos a vontade em Atos 11:23: "firmeza de coração", ou "propósito do coração". O propósito é uma função da vontade, mas em Atos ela aparece com algo do coração. Isso mostra que a vontade também é uma parte do coração. Hebreus 4:12 fala das "intenções (propósitos) do coração". As intenções correspondem aos propósitos, que são coisas da vontade. Novamente, isso prova que a vontade é uma parte do coração. Há mais versículos, mas esses dois são suficientes. Para citar o padrão da Bíblia, somente duas testemunhas são requeridas.
A emoção é encontrada em João 16:22: "vosso coração se alegrará". Alegrar-se é um elemento das emoções, mas aqui o Senhor diz que o coração se alegra. Portanto, isso confirma que a emoção também é uma parte do coração. No mesmo capítulo, o Senhor diz: "tristeza encheu o vosso coração" (v.6). Tristeza também é algo da emoção. Assim, estes dois versículos mostram que a emoção também é uma parte do coração.
Concernente à consciência, Hebreus 10:22 diz: "tendo os corações purificados da má consciência". Assim vemos que a consciência tem muito a ver com o coração. Se quisermos ter um coração puro, devemos ter uma consciência sem ofensa. A nossa consciência precisa ser purificada para termos um coração puro. Assim, sem nenhuma dúvida, a consciência é uma parte do coração. 1 João 3:20 menciona que "nosso coração nos condena". Condenar é uma função da consciência. Assim, este versículo prova que consciência também é uma parte do coração.
A base bíblica foi assim colocada para provar que todas as partes da alma e a primeira parte do espírito – as quatro partes: a mente, à vontade, a emoção e a consciência – compostas juntas, eqüivalem ao coração (Rm 2:15).

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

O MISTÉRIO DA VIDA HUMANA

O MISTÉRIO DA VIDA HUMANA



" POR REVELAÇÃO ME FOI DADO CONHECER O MISTÉRIO" Efésios 3:3



I- O PROPÓSITO DA EXISTÊNCIA DO HOMEM

Você alguma vez já se perguntou por que está vivendo neste mundo e qual é o propósito da vida humana? Não importa que tipo de pessoa você seja ou qual sua profissão, há algumas coisas com as quais você, tal como a maioria das pessoas, estará de acordo, istó é:

O dinheiro não pode satisfazer (plenamente) o homem,

Nem a educação pode satisfazer (plenamente) o homem,

Nem o prazer pode satisfazer (plenamente) o homem,

Nem o sucesso pode satisfazer (plenamente) o homem.

POR QUÊ?

Porque você ainda não conhece:

II- O PLANO DE DEUS

Deus tem um plano. Esse plano tem muitíssimo a ver com o homem. A esse plano, a Bíblia chama de Economia de Deus (Nota).

Nota: Ou dispensação (Efésios 1:10), a qual na língua original grega é "oikonomia" que se refere ao plano de Deus.

A economia de Deus é precisamente o plano completo de Deus para o homem. Explica a origem e o destino do homem, assim como o significado da existência humana.

COMO CONHECER A ECONOMIA DE DEUS?

III- QUATRO CHAVES

Deus lhe preparou quatro chaves para desvendar a economia de Deus. Essas quatro chaves estão registradas na Bíblia. Elas são igualmente importantes, sendo todas indispensáveis.

Por favor, abra seu coração agora mesmo para ler minuciosamente este livrete até o fim.

Assim poderá se apossar dessas quatro chaves, compreender a economia de Deus, conhecer o propósito do homem e entrar numa vida humana cheia de satisfação (plena).



A PRIMEIRA CHAVE

A CRIAÇÃO DE DEUS



REVELANDO O MISTÉRIO DA EXISTÊNCIA HUMANA

1. O HOMEM TEM A IMAGEM DE DEUS.

Por favor, leia o versículo seguinte:

"Também disse Deus: Façamos o homem à Nossa imagem, conforme a Nossa semelhança..." Gênesis 1:26a

Deus criou o homem de modo diferente de todo o resto da criação. Ele criou o homem à Sua própria imagem.

Exemplo: Uma luva é criada conforme a semelhança da mão como o propósito de conter a mão.

Igualmente, o homem foi criado à imagem de Deus, com o propósito de conter Deus.

2. O HOMEM É UM VASO

Agora leia o próximo versículo:

Que Deus "tornasse conhecidas as riquezas da Sua glória em vasos de misericórdia...os quais somos nós". Romanos 9:23-24

Nós somos vasos de Deus.

Deus quer ser o nosso contéudo.

Assim como as garrafas foram feitas para conter água, nós fomos feitos para conter Deus.

Não é de admirar que nem conhecimentos, nem riquezas, nem prazeres e nem realizações podem satisfazê-lo (plenamente), porque você foi criado para conter Deus!

3 . AS PARTES DO HOMEM

Por favor, continue lendo o próximo versículo:

"...E o vosso espírito e alma e corpo, sejam conservados íntegros..." 1Tessalonicenses 5:23

O homem é o vaso de Deus. A Bíblia divide este vaso em três partes: o corpo, a alma e o espírito. Veja o esquema abaixo:





O CORPO é simplesmente o corpo físico, pertencendo ao nível fisiológico, para contatar as coisas da esfera material, e é a parte mais superficial.

A ALMA é a psiquê, a parte psicológica, para contatar as coisas do mundo psíquico e é uma parte intermediária. É o nosso EU onde temos mente, vontade e emoção.

O ESPÍRITO é a parte mais profunda do homem, pertencendo ao nível espiritual, onde temos a consciència, intuição e o lugar para comunhão com Deus.

Para os problemas do corpo se procura um médico.

Para os problemas da mente se consulta um psiquiatra.

Mas só Deus pode resolver os problemas do espírito.

4. A ECONOMIA DE DEUS.


. Deus quer entrar no espírito do homem, para apartir dele,

vir a ser o seu conteúdo e a sua satisfação.

. Este é o propósito da existência humana!

. Você não foi criado meramente para conter comida no

seu estômago, ou para conter conhecimento em sua mente,

mas você foi criado para conter Deus em seu

espírito, alma e corpo.





A SEGUNDA CHAVE

A QUEDA DO HOMEM



REVELANDO O MISTÉRIO DAS NATUREZAS BENIGNAS E MALIGNA DO HOMEM



1. AS DUAS NATUREZAS DO HOMEM.

Visto que o homem foi criado à imagem de Deus, ele possui uma natureza benigna que corresponde à natureza de Deus, com virtudes tais como, sinceridade, bondade, amor, sabedoria, amabilidade, coragem, etc.

Porém, também há uma natureza maligna no homem a qual luta contra a sua natureza benigna. Os metafísicos chineses se referem a esta luta como uma batalha entre a razão e a concupiscência. Durante toda a história, todos os conhecedores da natureza humana reconhecem a existência desta natureza maligna que a Bíblia chama de "pecado".

2. O PECADO

Porque o pecado está no homem, ele é incapaz de levar a cabo as suas intenções benignas.

Ninguém gosta de ser avarento, invejoso, ou homicida.

Ninguém gosta de se gabar, ser arrogante, ou enganoso.

Ninguém gosta de ser irritável, fornicador, ou concupiscente.

Ninguém gosta de blasfemar, insultar ou maldizer.

Não obstante, o homem não pode escapar de sua natureza maligna.

Por favor, leia os versículos seguinte:

"Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum; pois querer está presente em mim, mas fazer o bem, não". Romanos 7:20

Essa é uma descrição do homem (caído).

3. A QUEDA DO HOMEM

O pecado entrou no homem e causou a sua queda. Veja o esquema abaixo.





(1) O pecado fez com que o espírito do homem se amortecesse:

"...Estando vós mortos nos vossos delitos e pecados".  Efésios 2:1

(2) O pecado fez com que a mente do homem se rebelasse:

"E a vós, que outrora éreis estranhos e inimigos em vossa mente pelas obras malignas".  Colossenses 1:21

(3) O pecado fez com que o corpo do homem pecasse:

"Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para obedecerdes às suas concupiscências".  Romanos 6:12

O homem caiu, tornado-se como:

Exemplo: Um aparelho de rádio estragado, sem controle, não apenas sendo incapaz de captar ou produzir qualquer som musical, mas frequentemente emitindo ruídos.

Ele é também como:

Exemplo: Um copo que caiu na sarjeta que tem ainda a sua boa forma original mas agora está coberto de lodo.

4. O HOMEM NÃO PODE SALVAR-SE A SI MESMO.

Durante toda a história, o homem tem feito todo o possível para escapar do pecado, mas tem encontrado que:

As boas obras não podem salvá-lo do pecado.

A instrução não pode salvá-lo do pecado.

A moral não pode salvá-lo do pecado

Rezar o terço não pode salvá-lo do pecado

A religião não pode salvá-lo do pecado

Essa guerra entre as duas naturezas humanas do bem e do mal é um quadro que retrara a vida humana,



A TERCEIRA CHAVE

A REDENÇÃO DE CRISTO

REVELANDO O MISTÉRIO DA VIDA E MORTE DO HOMEM-DEUS

1. QUEM É CRISTO?

Cristo é o Salvador que foi enviado por Deus ao mundo para solucionar os problemas da vida humana.

Ele é a manifestação corpórea do Deus Triúno.

"Pois Nele habita corporalmente toda a plenitude da Deidade". Colossenses 2:9

Ele é também Deus encarnado:

"E a Palavra era Deus... E a Palavra Se tornou carne, e tabernaculou entre nós, cheia de graça e de verdade".  João 1:1,14

Portanto, Ele é o Deus completo e o homem perfeito. Veja o esquema seguinte:





Ele é mais que um bom homem!

Ele é mais que um grande homem!

Ele é mais que um homem moral!

Ele é mais que um homem santo!

Ele é o Homem-Deus!

2. A MORTE DO HOMEM-DEUS

Este Homem-Deus foi crucificado, cumprindo a obra redentora. A Sua morte foi uma morte em três aspectos:

(1) Como o Cordeiro de Deus, Ele morreu para tirar o pecado do homem.

"Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo". João 1:29

(2) Como a serpente de bronze que tinha sido levantada, Ele morreu para esmagar a antiga serpente, Satanás, e para tratar com o veneno da serpente o qual está dentro do homem: a sua natureza pecaminosa.

"E, como Moíses levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado".  João 3:14

(3) Como um grão de trigo, Ele morreu para liberar a vida divina.

"Se o grão de trigo...morrer, produz muito fruto". João 12:24

AGORA:

A Sua morte pode tirar o pecado que o homem tem mas não deveria ter!

A Sua morte pode proporcionar ao homem a vida que este deveria ter mas não tem!

(a medida que a vida divina entra e vai se expandindo, o pecado vai saindo).







A QUARTA CHAVE

O DISPENSAR DE DEUS



REVELANDO O MISTÉRIO DA FÉ EM CRISTO.

1. OS DOIS "TORNAR-SE" DE CRISTO

Deus se tornou carne, nascido como um homem chamado Jesus. Por favor, leia o versículo seguinte:

"E a Palavra Se tornou carne, e tabernaculou entre nós".  João 1:14

O Senhor Se tornou o Espírito que é chamado o Espírito que dá vida (ou vivificante), por Sua ressureição dentre os mortos. Leia o versículo seguinte:

"O último Adão se tornou Espírito que dá vida". 1 Coríntios 15:45

Este Espírito, por ser o Espírito que dá vida, trazendo a vida, dispensa Deus para dentro daqueles que Nele crêem.



Portanto, a Bíblia diz:

"Aquele que tem o Filho tem a vida; aquele que não tem o filho de Deus não tem a vida".
João 5:12

2. REGENERANDO O HOMEM

Em Seu primeiro nascimento, o homem obtém uma vida física.

Quando o homem recebece a vida de Deus por meio de Cristo, esse experimenta um segundo nascimento, o qual a Bíblia chama de regeneração.

"Deus... nos regenerou... mediante a ressureição de Jesus Cristo dentre os mortos".  1 Pe 1:3

Jesus disse: "Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus".  João 3:3

Exemplo: Um porco não pode participar no reino das ovelhas e viver a vida de ovelha por meio da educação, melhoramento, ou regulamento; deve possuir a vida de uma ovelha.

Do mesmo modo, se um homem quiser pertencer ao reino de Deus, e ter um viver divino, também não poderá depender de instrução, reforma ou regulamento. Ele tem de receber a vida de Deus!





3. O SIGNIFICADO DO SER UM CRISTÃO

Um cristão é alguém que recebe o dispensar de Deus. Deus primeiro Se dispensa para dentro do nosso espírito e logo Se estende desde o nosso espírito para dentro da nossa alma. Finalmente, ele enche e satura o nosso espírito, alma e corpo Consigo mesmo. A Bíblia chama este resultado de glorificação.



Por meio disso, nós podemos ser transformados e conformados à imagem de Cristo.

"Porque aos que Ele preconheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de Seu Filho".  Romanos 8:29

Este é o propósito da vida humana!

Este é o significado de ser um cristão!

Este é o plano que Deus estabeleceu para você!



O QUE VOCÊ DEVE FAZER

AGORA

Agora que você já compreendeu o plano de Deus, você deve fazer quatro coisas:

1. VOLTAR O SEU CORAÇÃO A DEUS - ARREPENDER-SE

Arrepender-se não é lastimar e estar cheio de remorso.

Arrepender-se não é tentar reformar-se.

Arrepender-se é ter uma mudança na mente.

Antes você vivia à parte de Deus. Quer tivesse uma boa ou má conduta, você estava apartado de Deus. A sua mente estava desviada de Deus. Agora escute o que disse o Senhor Jesus:

"Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus".  Mateus 4:17

2. CRER - RECEBER

Crer não é consentir, concordar ou apreciar.

Exemplo: Se alguém lhe dá um relógio de presente, seu consentimento, sua aprovação e sua apreciação simplesmente não são suficientes. Você precissa receber o relógio para usufruir dele. Crer é receber. Leia o versículo abaixo:

"Mas, a todos quantos O receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que crêem no Seu nome".  João 1.12

3. CONFESSAR - INVOCAR

Ser um cristão é um assunto aberto. Deus requer que o seu coração creia e que a sua boca confesse.

Se você não crer no seu coração, não poderá ser salvo.

Se você não confessar com a sua boca, também não poderá ser salvo. Mas:

"Se confessares com a tua boca: Senhor Jesus e creres em teu coração que Deus O ressucitou dentre os mortos, serás salvo". Romanos 10:9

4. SER BATIZADO - TESTIFICAR

Ser batizado é testificar diante dos homens. Todos os que crêem devem ser batizados, a fim de que sejam salvos não apensas diante de Deus, mas também diante dos homens.

O Senhor Jesus disse:

"Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado".  Marcos 16:16

Por meio do batismo, Deus nos transfere do reino de Satanás para dentro do reino de Deus. Por isso, o Senhor Jesus também disse:

"Em verdade, em verdade te digo: Quem não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus".  João 3:5

Obs: Um cristão genuino que confessa a Jesus como Senhor e que já foi batizado (e portanto já é participante da ceia/mesa do Senhor) pode batizá-lo, se você quiser dar este testemunho e ser transferido (espiritualmente) de reino.



AGORA O CONVIDAMOS A ORAR:



"Senhor Jesus! Sou um pecador. Preciso de Ti. Eu Te peço que entres no meu espírito, tires o meu pecado, me lave com Teu precioso sangue, me enchas, para que eu ganhe a vida de Deus. Agora Te recebo como o meu Salvador e minha vida. eu me entrego a Ti. Eu peço em nome do Senhor. Amém!"

Obs: A oração acima é um modelo, assim como a conhecida oração do "Pai nosso" (Mateus 6:9-13). Não precisa ser repetida diversas vezes. Orar é falar com Deus através do Senhor Jesus (único intermediário entre Deus e os Homens) por meio do Espírito.

Agora você está claro acerca do mistério da vida humana! Que o Senhor o abençoe para que você continue a viver no plano de Deus!

Procure ler a Bíblia (A Palavra de Deus ou sagradas escrituras) começando do Novo Testamento, para receber alimento espiritual, conhecendo mais de Cristo (nos 4 Evangelhos) e da Igreja (em Atos, nas Epistolas e Apocalipse), portanto peça a Deus revelação...


terça-feira, 1 de outubro de 2013

A PROPAGAÇÃO DA PRÁTICA DE INVOCAR O NOME DO SENHOR


A PROPAGAÇÃO DA PRÁTICA DE INVOCAR O NOME DO SENHOR

Outra experiência que tivemos no início da obra no Brasil ocorreu quando uma congregação, que ouvira dizer que estávamos ligados a Watchman Nee, nos convidou a falar-lhes. Foram conosco aqueles jovens de Ribeirão Preto que havíamos ajudado a liberar o espírito, invocando o nome do Senhor. Naquele dia, por alguma razão, não houve apresentação do conjunto musical daquela congregação e logo nos foi dada a palavra; então dissemos: “Vamos invocar o nome do Senhor”. Eles começaram a clamar: “Ó Senhor Jesus”. Depois de dois ou três minutos, eu já estava muito contente com o que o Espírito Santo estava fazendo no meio deles. Contudo eles continuaram, e quando haviam se passado dez minutos, comecei a ficar preocupado, e, temeroso, pedi que tocassem um pouco a bateria para que parassem. Eu ainda tinha pouca fé quanto à eficácia da prática de se invocar o nome do Senhor
A maioria daqueles jovens que já invocavam o nome do Senhor ingressou em diversas faculdades em várias cidades, e por onde iam transmitiam o que praticavam: invocar o nome do Senhor. Foi devido a isso que muitas igrejas foram estabelecidas no Brasil.
No final da década de 70, fui convidado para ministrar uma conferência aos irmãos da igreja em Belo Horizonte, um vez que os dois cooperadores responsáveis pela Palavra não estavam disponíveis. Como ainda não havia dado nenhuma conferência, fiquei temeroso visto que era mais difícil do que falar em uma reunião da igreja. Mas o irmão Samuel Ma me encorajou, dizendo: “Vá! Eu irei com você e estarei orando por você!”. Graças ao Senhor por esse encorajamento! Nos três dias de conferência, ele orava comigo e o Senhor fazia fluir Suas palavras da minha boca. Nessa conferência cantamos um cântico que falava sobre a água viva a fluir. De fato, quando liberamos o espírito, o Espírito Santo flui como água viva!
A partir de então, a prática de invocar o nome do Senhor não só permeou o Brasil, mas até outros países da América do Sul. Na última década isso se espalhou também para os Estados Unidos, África e Europa. Tudo começa ao invocar o nome do Senhor. Por meio da prática dessa verdade, muitos foram salvos e muitas igrejas foram estabelecidas! Por isso invocar o nome do Senhor é a maior das verdades.
Que jamais deixemos de invocar esse nome maravilhoso, pois essa é maneira mais acessível de estarmos no espírito e servirmos ao Senhor no espírito (1 Co 12:3; Rm 1:9). Quando invocamos: “Ó Senhor Jesus”, tiramos com alegria águas das fontes da salvação (Is 12:4).


sexta-feira, 27 de setembro de 2013

O que é fé

O que é fé

Fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem. Hebreus 11:1
O pensamento de que a justiça de Cristo nos é imputada, não por causa de qualquer mérito de nossa parte, mas como dom gratuito de Deus, demonstrava-se um pensamento precioso. O inimigo de Deus e do ser humano não quer que essa verdade seja claramente apresentada, pois ele sabe que, se o povo a aceitar plenamente, o poder dele será arruinado. Se ele pode dominar a mente de maneira que a dúvida e a incredulidade e as trevas constituam a experiência dos que professam ser filhos de Deus, ele pode vencê-los com a tentação. Aquela fé simples, que toma Deus em Sua palavra, deve ser estimulada. O povo de Deus deve ter aquela fé que lança mão do poder divino; “porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus” (Ef 2:8). Os que creem que Deus, por amor de Cristo, lhes perdoou os pecados, não devem, pela tentação, deixar de prosseguir em combater o bom combate da fé. Sua fé deve se tornar mais forte, até que sua vida cristã bem como suas palavras declarem: “O sangue de Jesus Cristo, Seu Filho, nos purifica de todo pecado” (1Jo 1:7).
Fé é a confiança em Deus, ou seja, a crença de que Ele nos ama e conhece perfeitamente o que é para o nosso bem. Assim, ela nos leva a escolher o caminho dEle em vez do nosso. Em lugar da nossa ignorância, ela aceita a sabedoria dEle; em lugar de nossa fraqueza, aceita a força dEle; em lugar de nossa pecaminosidade, Sua justiça. Nossa vida e nós mesmos já somos dEle; a fé reconhece essa posse e aceita as bênçãos dela. Verdade, retidão e pureza têm sido designadas como segredos do êxito da vida. [...] Todo bom impulso ou aspiração é um dom de Deus. [...]
Deve-se explicar bem como exercer a fé. Para toda promessa de Deus há condições. Se estamos dispostos a fazer Sua vontade, toda a força dEle é nossa. Qualquer dom que Ele promete está na própria promessa. [...]
A fé que nos habilita a receber os dons de Deus é em si mesma um dom. [...] Ela cresce quando exercitada no apropriar-se da Palavra de Deus. A fim de fortalecer a fé, devemos frequentemente trazê-la em contato com a Palavra.
Quantas vezes os que confiavam na Palavra de Deus, embora se encontrando literalmente desamparados, têm resistido ao poder do mundo inteiro! [...] Eles constituem a verdadeira nobreza do mundo. São a sua linhagem real

Qual a distância entre você e Deus?

Qual a distância entre você e Deus?

Uma mensagem que te aproximar mais de Deus
Não há como medir o tamanho de Deus. Ele não cabe na imensidão do Universo. Não existe um único lugar que seu Espírito não possa perscrutar. Não existe uma única pessoa que não mereça a sua atenção e seu amor. Ele é maravilhoso em seus planos e perfeito em suas obras.
Contudo, para muitos o Senhor está tão longe! E quando se está longe de Deus, Ele parece muito pequeno e fraco. Temperamental e vaidoso.
Ao se chegar, por exemplo, em um mirante de onde se pode avistar toda a cidade, podemos colocar edifícios de dezenas de andares entre dois dedos: o polegar e o indicador. O grande edifício fica pequeno, medindo centímetros. Assim também são as paisagens vistas de um avião. As pessoas ficam do tamanho de formigas, até mesmo desaparecem, as casas, as grandes construções e as largas avenidas também se tornam minúsculas.
Mas, à medida que nos aproximamos do pouso, as grandes edificações ficam enormes diante de nós, tudo é redimensionado. Assim acontece com o nosso relacionamento com Deus. Quanto mais próximos estamos Dele, mais experimentamos do seu poder, e da sua grandeza, vemos como somos pequenos e frágeis.
Qual é o tamanho de Deus para você? Qual o tamanho do poder de Deus para você? Dependerá da distância que você se encontra Dele.

Construído na rocha

Construído na rocha

Como você descreveria uma pessoa estável? No final do Sermão do Monte, Jesus contou uma parábola que exemplifica a pessoa estável, cuja vida estava edificada sobre um fundamento tão firme como a rocha. O homem que construiu sua casa sobre a rocha foi aquele que ouviu as palavras do Mestre e as praticou. Ouvir e praticar é a combinação inseparável do bom caráter.
Todos nós conhecemos gente que não vive o que fala. Nunca sabemos realmente onde se encontram. Jesus Cristo é capaz de ajudar-nos a viver a Sua mensagem. O resultado dessa vivência é a estabilidade. Toda vez que ousarmos praticar um aspecto do evangelho, ele se torna parte de nosso caráter. Coerência e congruência entre o que cremos e o que fazemos construirão a casa de nossa vida sobre um fundamento sólido.
Esse tipo de estabilidade se demonstrará em nossa aparência, refletir-se-á em nossa voz e se irradiará de nossas convicções. O mundo precisa desesperadamente de cristãos estáveis que saibam quem são, de quem são e o que devem fazer. As tempestades da vida podem levantar-se contra nós, mas não mudaremos. Os ventos de mudança sopram furiosos, mas não caímos. Aquele que é capaz tomou o controle de nossa mente, de modo que podemos pensar os Seus pensamentos. Ele domina as nossas emoções de modo a termos calma nas perturbações da vida. Ele dirige a nossa vontade, e reina em nosso corpo fortalecendo-o com o seu Espírito.
Treinamento e acondicionamento tornam a pessoa estável. A estabilidade começa nas pequenas coisas da vida e  nos prepara para as grandes crises. Sempre firmados em Jesus. (Escrito por Lloyd Ogilvie)
Lembre-se: ninguém jamais se prepara para a crise em meio a ela. Momento a momento, Cristo está edificando um alicerce inabalável. Que venham tempestades e furacões! Ele é capaz!

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

O REINO ESTÁ PRÓXIMO

O REINO ESTÁ PRÓXIMO

Leitura bíblica: Mt 3:2, 11a; 4:17; 10:1-4, 7; Mc 3:13-14; Lc 6:12-13; At 1:3, 8

As verdades provêm da Bíblia, a Palavra de Deus, e podem ser vistas, estudadas e interpretadas de diferentes maneiras; entretanto, o nosso enfoque é praticá-las.
João Batista, o precursor do Senhor Jesus, veio como uma voz que clama no deserto pregando: “Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus” (Mt 3:2). Havia necessidade de uma mudança de mente daquelas pessoas, que precisavam se converter de sua condição, para acolher o Rei do reino dos céus. Todos os conceitos antigos e as velhas tradições deveriam ser deixados para trás (v. 6).
O Senhor Jesus iniciou Seu ministério na região da Galileia dizendo: “Arrependei-vos porque está próximo o reino dos céus” (4:17). A ênfase de Suas palavras era o arrependimento visando ao reino dos céus, pois as pessoas estavam preocupadas somente com as coisas da terra.
À medida que Jesus caminhava, ao longo do mar da Galileia, Ele buscava cooperadores para Si (vs. 18-22). Dentre a multidão que O seguia, após orar toda a noite, o Senhor escolheu doze discípulos para estarem Consigo, e os chamou apóstolos, indicando que eles seriam enviados para anunciar o evangelho (10:1-4; Mc 3:13-14; Lc 6:12-13). O Senhor também falou aos Seus discípulos como deveria ser o viver daqueles que irão reinar com Ele no mundo que há de vir (Mt 5–7). Em seguida, ao enviá-los, recomendou: “À medida que seguirdes, pregai que está próximo o reino dos céus” (10:7).
Após Sua morte e ressurreição, o Senhor apareceu aos Seus apóstolos durante quarenta dias, e lhes falou das coisas concernentes ao reino de Deus (At 1:3). Embora incultos e, por vezes, tímidos, o Senhor iria capacitá-los a pregar o evangelho do reino, pois o Seu desejo era que esse evangelho fosse pregado não somente aos judeus, mas também aos gentios, começando em Jerusalém, a maior cidade da Judeia (Mt 24:14; At 1:8).
Assim, durante esse período de quarenta dias, os discípulos ouviram a respeito da salvação, como pregá-la aos outros para introduzi-los no reino de Deus. Ter esse conhecimento, contudo, não era o suficiente; os discípulos precisavam de algo mais, e, por isso perseveraram unânimes em oração. Eles provavelmente não se sentiam capazes de realizar a vontade do Senhor; precisavam depender Dele para cumprir Sua vontade (vs. 13-14).
Depois de orarem por dez dias, o Espírito desceu sobre eles, revestindo-os de autoridade e enchendo-os de poder para pregar, com muita ousadia, o evangelho do reino aos que estavam em Jerusalém no dia de Pentecostes, levando quase três mil dos ouvintes ao arrependimento (2:38).




sexta-feira, 23 de agosto de 2013

ESTUDO BÍBLICO: A prática da verdade (2 Jo 4; 3 Jo 3-4)

ESTUDO BÍBLICO:
 A prática da verdade (2 Jo 4; 3 Jo 3-4)

Leitura bíblica: 1 Jo 4:7-21

 Amados, se Deus de tal maneira nos amou, devemos nós também amar uns aos outros (1 Jo 4:11).

JOÃO EM SUA MATURIDADE FOI PARA ÉFESO

Anos depois da morte de Paulo, o apóstolo João, já maduro, após seu exílio na ilha de Patmos, foi para Éfeso servir a igreja, segundo nos conta a história. Quando lá chegou, ajudou os santos não simplesmente com a verdade em seu aspecto doutrinário, mas levou os irmãos ao Espírito, pois ele já havia experimentado o Deus Triúno como o Espírito da realidade no seu interior.
Guiado pelo Espírito da realidade, João se lembrou de tudo que o Senhor havia dito durante os três anos e meio e o que Ele havia feito enquanto esteve com eles. Isso o fez escrever seu evangelho, que relata fatos e palavras ditas pelo Senhor que os outros evangelhos não registraram. Foi com tal espírito que ele foi servir em Éfeso.
A dificuldade da igreja em Éfeso, de acordo com a primeira das sete cartas às sete igrejas registradas em Apocalipse 2-3, foi ter abandonado o primeiro amor. Isso significa que eles não estavam no Espírito, pois Deus é amor, e o amor aos outros é o resultado do crescimento de vida, crescimento esse que ocorre no Espírito. Essa era a situação anterior da igreja em Éfeso.
Todavia, quando João chegou ali, ele ajudou aqueles irmãos e, depois de alguns anos, a igreja em Éfeso se tornou um centro de obra, onde muitos foram cuidados e de onde muitos eram enviados para diferentes lugares para cuidar de outros. Louvado seja o Senhor!
Em Éfeso, João ajudou a igreja a voltar-se para o Espírito, pois Nele há vida, que se manifesta por meio do amor. Quando estamos juntos, e invocamos o nome do Senhor, desfrutamos a vida de Deus, e como resultado, espontaneamente manifestamos o amor que temos pelos irmãos e pelas pessoas.
Quando estamos no espírito, não é preciso que sejamos exortados a amar uns aos outros. Isso será espontâneo. Em 1 João 4:7-8 lemos: “Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus; e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor”. Nós amamos porque o Deus que é amor tornou-se carne (Jo 1:14), morreu por nós na cruz para nos redimir do pecado e dar vida, ressuscitou, tornando-se assim o Espírito que dá vida (1 Co 15:45b), entrou em nós e é um conosco (6:17).
Por isso nosso caminho não é repreender, acusar ou discutir com as pessoas, mas conduzi-las ao Espírito. Dessa maneira expressaremos uma genuína preocupação e cuidado por elas, com amor. Louvado seja o Senhor.


segunda-feira, 19 de agosto de 2013

A Videira Verdadeira

A Videira Verdadeira

"Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o viticultor. Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não permanecer na videira, assim também vós, se não permanecerdes em mim." (Jo 15:1, 4

Aleluia!!! Jesus é a videira verdadeira!!! Nesta passagem vemos que Jesus faz uma analogia entre ele e uma videira. Na videira, todos os ramos são unidos, ajudando e levando a seiva com todo alimento necessário para os ramos. Cada ramo tem o seu papel, levar o alimento em abundância para que os ramos cresçam e dêem frutos. Quando um ramo não está cumprindo o seu papel, ele está sendo inútil para a vida da árvore, fazendo com que os outros ramos fiquem anímicos

Nós somos esses ramos, como na videira, nós os ramos precisamos um do outro para darmos fruto. Cada um deve fazer sua parte, dispensar a vida – O Espírito, simbolizado pela seiva – para que os outros irmãos cresçam e dêem fruto, fazendo é claro, que a vida chegue a todos os ramos. Quando não fazemos nossa parte, impedimos que o Corpo cresça e também não estamos sendo úteis para o propósito de Deus, de fazer com que todos os ramos cresçam e dêem fruto. Irmãos, foi para isso que o Senhor nos chamou, para sermos santos e irrepreensíveis em amor, que venhamos a ser irrepreensíveis, amando uns aos outros, dando nossa vida pelos irmãos, ajudando-os a crescer e frutificar

Precisamos nos conscientizar diante dessas palavras e pôr-nos a disposição de Deus nesta questão, para que sejamos úteis ao plano de Deus e venhamos crescer em vida, dando frutos de bondade e justiça.

Oremos pois: "Senhor Jesus, que o Senhor venha nos ganhar a cada dia, para seu propósito eterno, de se dispensar para dentro do homem, Se mesclando com ele. Leve a cabo isso em nós, nos purifique, lave-nos com Teu sangue, dispensa-Se para nós, para que possamos crescer em vida e nos fortalecer, darmos frutos e te dispensar aos irmãos. Esse é o nosso anelo. Amém!!!!